Recuperação escolar: o que fazer para ajudar meu filho?

Ninguém inicia o ano esperando que seu filho fique em recuperação escolar. Porém, essa é uma situação que pode ocorrer, tendo em vista que diversos fatores podem prejudicar o seu processo de aprendizado.

Apesar de não ser um momento de alegria, a recuperação escolar deve ser encarada com tranquilidade e apoio. E, porque não, como uma nova oportunidade para aquele conteúdo que não foi fixado ao longo do ano.

Mas afinal, como ajudar o filho em recuperação escolar? Primeiro, é fundamental haver compreensão, pois se trata de um período complicado para as crianças. Porém, ao mesmo tempo, é preciso estabelecer regras claras para que o estudo seja levado a sério.

Se você está precisando de ajuda, vamos te explicar nesse post o que é possível fazer para que o seu filho supere nessa etapa. Acompanhe! 

Como ajudar o filho em recuperação escolar?

Entenda a causa da recuperação escolar 

Antes de tomar qualquer medida, é importante conversar com o seu filho para entender os fatores que o levaram a ficar em recuperação escolar. Esse diálogo franco e aberto ajuda a criança a lidar melhor com esse momento, reduzindo o estresse e as frustrações.

Lembre-se que a recuperação vai além das notas em si. Não adianta julgar e/ou criticar pela sua baixa produtividade. Ou pior: empurrar ele para frente com falhas de aprendizagem. No futuro, este déficit pode ser tornar uma bola de neve, especialmente quando ele se deparar com matérias ainda mais complexas.

Além disso, a recuperação escolar pode ser resultado de algum problema comportamental ou de um déficit de atenção, por exemplo. Logo, conversem e superem juntos essa etapa.

Tracem juntos um plano de ação

Entendendo as dificuldades do seu filho, se torna mais fácil criar um plano de ação para que ele consiga vencer a recuperação escolar.

Estabeleça horários para os estudos, o uso de equipamentos eletrônicos e brincadeiras com os amigos. O ideal é que isso seja disposto em uma agenda e que todos possam controlar.

Saiba, porém, que passar muitas horas diante dos livros não é sinônimo de aprendizagem. Para crianças de até 8 anos, por exemplo, a recomendação é que estudem até 2 horas por dia – com pausas. Mais do que isso, seu rendimento pode diminuir e elas ainda podem ficar estressadas.

Por mais que seja importante seguir a rotina estipulada, caso um horário seja descumprido, não é preciso promover alguma punição. Mostre para ele que é importante manter o foco e reorganize o seu dia.

Além disso, esteja à disposição para ajudá-lo a estudar para a prova ou fazer suas lições.

Estimule-o com palavras positivas e de incentivo

Não tem como ajudar o filho em recuperação escolar sem diferenciar o “incentivo” de “pressão”. A ideia é que você auxilie a criança e reforce sua autoestima - e não que a deixe para baixo, desestimulada.

Se o seu filho tem mais dificuldade em português, por exemplo, mas está com notas ótimas em ciências, exalte isso! Demonstre que, com o esforço que ele está demonstrando, logo o português vai se tornar tão fácil e estimulante quanto ciências.

Não esqueça, ainda, de acompanhar os seus estudos para que, caso surjam dúvidas, juntos consigam solucionar.  

Gostou desse conteúdo? Acesse o nosso blog e veja outros artigos para garantir a melhor experiência educacional possível para a criançada.